Clássicos do vestibular: O Bom Crioulo, de Adolfo Caminha


Publicado pela primeira vez em 1895, o romance O Bom Crioulo é uma das obras mais importantes do plumitivo Adolfo Caminha. Nessa obra, o responsável trata de questões muito polêmicas para a sociedade da quadra (século XIX), uma vez que a homossexualidade e o sexo entre pessoas de diferentes etnias.

Desse modo, para muitos, essa obra de Adolfo Caminha é a melhor representante do movimento naturalista na historiografia da literatura brasileira. Nesse sentido, é verosímil percebem em O Bom Crioulo a resguardo da tese determinista. Assim, no romance, o varão é retratado dentro de um envolvente pernicioso e podre, do qual decorrem as suas ações.

Enredo e características da obra

Narrado em terceira pessoa, o romance tem uma vez que personagem principal o jovem Amaro, preto servo que acaba por fugir do seu senhor e se abriga na Marinha, onde consegue erigir uma boa reputação. Afeito à escravidão, Amaro se adapta muito à disciplina do novo envolvente e, por sua postura caritativo e voluntariosa, ganha o sobrenome de “O Bom Crioulo” de seus colegas militares.

No entanto, Amaro acaba por se enamorar por Aleixo, um jovem grumete loiro e frágil, pelo qual se mete em confusões e brigas. Os dois acabam desenvolvendo um romance e vão morar na pensão de D. Carolina, uma ex-prostituta. Mas, por conta da rotina desencontrada de trabalho na Marinha, ambos acabam se afastando e Aleixo deixa Amaro para viver um caso com D. Carolina.

O isolamento de Aleixo acaba por deixar Amaro completamente descompensado, de modo que O Bom Crioulo passa a embriagar-se em excesso, além de terminar metido em diversas confusões. Por isso, ele é enviado para um hospital-prisão, de onde foge para ir ao encontro de Aleixo e acaba assassinando-o ao desvendar de seu caso com D. Carolina.

A narrativa é linear, de modo que o leitor tem chegada aos acontecimentos da história do parelha em ordem cronológica. Ou por outra, o narrador é onisciente. Já o enredo se passa no mar e na Rua da Misericórdia, localizada em um subúrbio do Rio de Janeiro.

E aí? Gostou do texto? Logo deixe cá o seu observação!

Veja também O que fazer se “der um branco” na prova? Confira 3 dicas.



Fonte Concurso